Pesquisar este blog na Web

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Aniversário da Capital de São Paulo. História de São Paulo.25/01 Nuances da História da Cidade do ] Corinthians [ o time Satanista que não merece representar São Paulo. Corinthians e bandalheira , tudo a ver

Peço desculpas ao Estado de São Paulo, meus conterrâneos, por ter emblematizado seu aniversário com esse time SATANISTA pelo qual deixei de torcer

Surgimento de São Paulo 
assista aos filmes na Plataforma do YouTube
ver Tambem... Clique                                                                                                                       Das bacias do Pinheiros e Tietê á Mega                                                                           Um dos grandes times que representa São Paulo                     
Corinthians, Ultimas Noticias, clique                                                                                                             Cidade dos Imigrantes 
estrangeiros, dos Migrantes Nordestinos, Nortistas , da Região Centro Oeste, do Sul e , é claro, do Sudeste. Onde muitos buscaram vida melhor e encontraram! Cidade com mais de 60% de Nordestinos que mudaram a própria história!
em 1954 Corinthians foi Campeão do Quarto Centenário de São Paulo
Grandes arranha céus!
Marcos Históricos, Vontade de desenvolver    



Das bacias do Pinheiros e Tietê á Mega ...

...São Paulo surgiu como missão jesuítica, em 25 de janeiro de 1554reunindo em seus primeiros territórios habitantes de origem tanto europeia quanto indígena. Com o tempo, o povoado acabou caracterizando-se como entreposto comercial e de serviços de relativa importância regional. Esta característica de cidade comercial e de composição heterogênea vai acompanhar a cidade em toda a sua história, e atingirá o seu ápice após o espetacular crescimento demográfico e econômico advindo do ciclo do café e da industrialização, que elevariam São Paulo ao posto de maior cidade do país.
  *Como já foi dito em muitos documentários: ¨Um povo que não conhece sua História esta fadado a repetir os mesmos erros¨  E tem erro que são irreversíveis. 
Conheça o Trajeto desse importante Rio que ainda pode ser recuperado e servir para transportes

Trajeto do Tietê
Em 1532Martim Afonso de Sousa funda, no litoral de São Paulo, a primeira vila brasileira, São Vicente. Donatário da capitania de São Vicente, Martim Afonso incentiva a ocupação da região e outras vilas são criadas no litoral (Itanhaém1532Santos1546). Poucos anos depois, vencida a barreira representada pela serra do Mar, os colonizadores portugueses avançam pelo planalto Paulista, estabelecendo novos povoados. Em 1553João Ramalho, que vivia no planalto desde antes da criação de São Vicente, funda a vila de Santo André da Borda do Campo, situada no caminho do mar (atual região do ABC paulista). Explorador português, João Ramalho era casado com a índia Bartira. Esta, por sua vez, era filha do cacique Tibiriçá, chefe da tribo dos tupiniquins.[1] João Ramalho encontrava-se, dessa forma, apto a exercer a função de intermediário dos interesses portugueses junto aos indígenas.

A importância das Origens
Como já foi dito em muitos documentários: ¨Um povo que não conhece sua História esta fadado a repetir os mesmos erros¨  E tem erro que são irreversíveis. 

                                          Rio Pinheiro
Ocupação: Desde o início, a ocupação das terras da cidade se deu de forma policêntrica, com diversos aldeamentos, principalmente jesuítas mas também de outras ordens eclesiásticas, em torno das quais iniciavam-se as aglomerações. A motivação mais natural para isso, em São Paulo, era o relevo da cidade, com muitos aclives e riachos. A organização urbana, da mesma forma que em toda a colônia, era centrada, administrativa e eclesiasticamente, nas paróquias. Cada paróquia era centrada em uma capela.[10]
A primeira paróquia foi, naturalmente, a Freguesia da Sé, fundada em 1589. Conforme os demais núcleos foram crescendo, eles desmembraram-se, com novas capelas ganhando status de paróquia. As paróquias desmembradas do centro foram[10]:
Além dessas, houve diversos aldeamentos mais distantes. Dentre eles, apenas dois prosperaram: o de Pinheiros e o de São Miguel, ambos fundados por José de Anchieta em 1560[10]. Diversos aldeamentos foram dizimados pela varíola, dentre os quais podemos citar: ItaquaquecetubaMboyItapecericaBarueriGuarapirangaCarapicuíbaIbirapuera e Guarulhos.[10]
São desta época os primeiros caminhos: o que ia ao Campo do Guaré (hoje chamado bairro da Luz) tornou-se a atual Florêncio de Abreu. Os outros dois dariam origem às hoje denominadas rua 15 de Novembro e rua Direita.
Também no século XVI são fundadas novas igrejas: a Matriz, em 1588 (primeiro protótipo da Sé paulistana), a de Nossa Senhora do Carmo, de 1592 (demolida em 1928), a Igreja de Santo Antônio (ainda hoje na Praça do Patriarca), e a capela de Nossa Senhora da Assunção, por volta de 1600 (que daria origem ao atual Mosteiro de São Bento). Um viajante chegando à cidade nas primeiras décadas do século XIX veria algo como:
A base da alimentação nos primeiros tempos era formada pela canjica, ensinada pelo índio, e o angu de fubá ou de farinha de milho e de mandioca. Convenientemente que esses alimentos não precisavam de sal, que naquela época era raro. A mandioca, que era o principal alimento no início do aldeamento, foi aos poucos sendo superada pelo milho. O trigo, embora desse bem na região, não foi muito utilizado no início - apenas para hóstias e bolinhos - devido a facilidade de se obter a mandioca e o milho. Apenas nos primeiros anos do século dezessete que se iniciou uma produção maior de trigo, com pelo menos cinquenta plantadores de trigo no planalto e diversas licenças da Câmara para os moradores fazerem seus próprios moinhos.[11]
Além desses alimentos-base, poderia-se encontrar frutas bravas e selvagens, palmitos e outros alimentos encontrados nas roças dos índios[12], bem como muitas frutas européias como maçãs, pêssegos, amoras, melões e melancias.[13] A cultura da vinha também teve desenvolvimento nos primeiros anos, sendo que se encontrava sempre muito vinho na vila, a não ser quando os comerciantes espertos tentavam o açambarcamento. Esses vinhos muitas vezes eram utilizados como remédio, servindo de veículos para plantas medicinais. O mesmo se dava com a cachaça que era produzida na região.[11]


                                         Das várzeas nasce o Bairro de Perdizes
Os Bandeirantes: No século XVII (17), as atividades econômicas da vila limitavam-se quase que exclusivamente à agricultura de subsistência. A produção e exportação de açúcar não tinha grande desenvolvimento, embora crescessem outros cultivos nos arredores da vila, como o de trigo, mandioca e milho, além da criação de gado. Não obstante, São Paulo permanecia como um núcleo de povoamento pobre e isolado das áreas mais dinâmicas da colônia. Assim, já nas primeiras décadas do século, os paulistas começaram a organizar as bandeiras – grandes expedições que partiam em direção aos sertões inexplorados da colônia, em busca de mão-de-obra indígena, pedras e metais preciosos. Em pouco tempo, os bandeirantes se tornariam os grandes responsáveis pela ampliação dos limites das fronteiras da colônia, incorporando ao território do Brasil inúmeras áreas que, de acordo com o Tratado de Tordesilhas, pertenciam à Espanha.
Os bandeirantes se tornariam figuras centrais na história política de São Paulo no século XVII (17), e a Igreja Católica e da própria coroa portuguesa. Em 1640, a forte oposição dos jesuítas à captura e comercialização da mão-de-obra indígena promovida pelos bandeirantes levou a uma série de conflitos entre os dois grupos, que culminariam, em 13 de julho daquele ano, com a expulsão dos jesuítas de São Paulo, medida que teve apoio dos comerciantes da vila. Os jesuítas só obteriam permissão para retornar a São Paulo em 1653.
autoridade local dos exploradores por vezes sobrepujava os interesses da 

Aclamação de Amador Bueno, 1909. Pintura de Oscar Pereira da Silva.
É também na vila de São Paulo que se registra, no mesmo ano de 1640, o primeiro movimento nativista do Brasil, a chamada "Aclamação de Amador Bueno". Com o fim da Guerra da Restauração, em que Portugal restabeleceu sua independência política da Espanha, os moradores de São Paulo, principalmente bandeirantes e comerciantes, temiam ser prejudicados, já que haviam se beneficiado economicamente do contrabando de índios na região do rio da Prata durante as décadas em que vigorou a União Ibérica. Como forma de protesto, declararam São Paulo reino independente, e Amador Buenocapitão-mor, rico morador da vila e irmão do bandeirante Francisco Bueno, é aclamado como rei. Amador Bueno, no entanto, rejeita o título e jura fidelidade à coroa portuguesa, encerrando o levante.
Em um primeiro momento, a concentração da atividade bandeirista em São Paulo fomentou, ainda que de forma tímida, a atividade econômica da vila, que ensaia exercer, pela primeira vez, a posição de entreposto comercial. Alguns bandeirantes, enriquecidos com o comércio de escravos indígenas, faziam benfeitorias na vila. Fernão Dias, eleito juiz ordinário e presidente da Câmara Municipal, por exemplo, doou aos monges beneditinos os recursos necessários para a reconstrução do Mosteiro de São Bento. Outras ordens religiosas se instalariam na cidade no século XVII, como os franciscanos, que em 1647 haviam inaugurado o convento (demolido em 1932, para dar lugar à Faculdade de Direito) e a igreja de São Francisco, no largo homônimo.






A Avenida mais Importante de São Paulo e do Brasil onde todos os Negócios acontecem
Avenida Paulista
A certidão de desenvolvimento ou VOCAÇÃO de ser grande

Um comentário:

  1. http://troianosinformation.blogspot.com/2019/01/remedios-para-sono-e-ansiedade-matam.html

    ResponderExcluir

Super