Pesquisar este blog na Web

sexta-feira, 16 de março de 2018

Logo vai começar e eles querem voltar mesmo que seja a força... Melhor chamar os Vingadores e a Liga da Justiça

Abrir as Cortinas e ver o que há por traz Luz  ou Trevas?
Prenderam o Líder da quadrilha?
E essa frase ai , é da Dilma?
Ué? Os depu não iam renunciar?  Depende muito! Pode haver lixo ou um jardim. Pode haver um ladrão ou crianças brincando de esconde esconde.... Depende muito ..... depende de todos e de tudo




Cara de pau brilhando sempre





quinta-feira, 15 de março de 2018

Resposta do Mercado Livre a uma reclamação sobre selos: Caiu a Mascara deles... Quer vender uma casa ou carro com eles?


  Quem tem a menor noção sobre compra e venda de selos entendera o porque esse e-mail é um abuso a um cliente. Tratam clientes como empregados.   A reclamação foi a de sempre Logistas endinheirados na frente das pesquisas na palavra "selos" e nós batalhadores lá atras
Veja:

Re: Resposta a sua consulta [Case: 9567870]



Hoje, 14:20

Você respondeu em 15/03/2018 15:26.

terça-feira, 13 de março de 2018

João Dias RN Conheça essa cidade Município de João Dias em os Tempos Pacatos

 
       João Dias/RN, Cidade Serrana, com mais de 200 anos de fundação, tem no entanto apenas 42 anos de emancipação política, comemorado em 19 de Agosto. Cidade de clima ameno, nos meses de maio até agosto, a temperatura média em torno de 23º. Rodeada de serras, que tornam um lugar de beleza impar, em se tratando de uma cidade pequenina, parecendo ilustração de contos de fadas. A cidade tem cerca de três mil habitantes, bastante arborizada, com arvore e praças bm cuidadas. Destaca-se a capela de Sáo Sebastião, construída em 1843, e tombada pelo Patrimônio Histórico do estado. A rede de calçamentos, cobre uma superfície de mais de 95% da zona urbana. O acesso, pelo Rio Grande do Norte é asfáltico e em construção o asfalto que liga a divisa com o vizinho Estado da Paraíba. VENHA CONHECER JOÃO DIAS


Capela estilo Imperial conservada cuidadosamente




História
No dia 13 de julho de 1706, com a entrega de amplas sesmarias nos sertões do Rio Grande do Norte, teve início a colonização de uma região em terras que serviam de esconderijo para os índios Tapuio Canindé. As sesmarias foram dadas ao capitão-mor Afonso de Albuquerque Maranhão, ao padre Manoel de Jesus Borges e a João Dias. Por causa do seu estilo desbravador de mateiro, sua habilidade no manuseio do facão e a experiência que tinha como caçador, João Dias marcou sua presença na região, perpetuando seu nome numa serra já existente, a qual passou a se chamar serra de João Dias.

Com o decorrer do tempo foram surgindo no sopé da Serra de João Dias, também chamada de Serra do Umbuzeiro, os primeiros sinais de povoamento. Conforme registros históricos o arruado de João Dias já se fazia presente em 1858 e sua capela em homenagem a São Sebastião foi inaugurada em 1887. Em 1894 a localidade chegou a ser uma das grandes povoações do município de Martins. 
Em 19 de agosto de 1963, através da Lei número 2.904, o povoado de João Dias foi desmembrado de Alexandria e tornou-se município do Rio Grande do Norte, sendo devidamente instalado no dia 19 de setembro do mesmo ano.

Tomada fotografica aérea de João Dias

Tipica cidade de interior, porem muito bem organizada e bem abastecida em um local privilegiado do ponto de vista turistico
    
 As praaças tem seu charme tipico de uma pequena cidade!

Beleza e simpatia dos Potiguares de João Dias

Presença da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em João Dias RN

João Dias
Rio Grande do Norte
João Dias é um município brasileiro no estado do Rio Grande do Norte localizado na microrregião de Umarizal, mesorregião do Oeste Potiguar. De acordo com o IBGE, no ano 2016 sua população era estimada em 2.693 habitantes. Área territorial de 88 km². Wikipédia
Área88.173 km²
População2 693 hab. IBGE/2016
Prefeito(a)Nadja Tassia Verissimo (PSD); (2017 – 2020)
Municípios limítrofesAntônio Martins, Almino Afonso, Catolé do Rocha, Alexandria PB e Brejo dos Santos/ PB
PIB per capitaR$ 4 233,44 IBGE/2008

segunda-feira, 5 de março de 2018

Como colecionar selos dicas principais dicas


Como colecionar

Diversas são as maneiras de se iniciar uma coleção. Uns iniciam com selos retirados das correspondências da família ou recebidos como herança de algum parente filatelista que deixou uma coleção. Outros começam comprando os selos nas Agências dos Correios ou em casas comerciais especializadas.
Na hora de decidir como você vai montar sua coleção de selos, é preciso criatividade para pensar como ela será desenvolvida. Você pode escolher o tema que mais gostar: esportes, artes, cidadania, ecologia, personalidades, meios de transporte, aviação, fatos históricos, educação, entre outros, e ilustrar a coleção com selos do Brasil e de outros países.
Para ser um bom colecionador, é fundamental que você conheça, também, um pouco da história das comunicações e do selo postal. Assim, na hora de conversar com seus novos amigos, você não ficará de fora e entenderá tudo o que é comum ao bate-papo de um grupo de amigos do selo.
Dicas:
Existem algumas dicas que são importantes pra quem coleciona selos:
1.
Não pegue os selos com as mãos. Use sempre uma pinça. Guarde-os com todo cuidado, pois são peças valiosas para sua coleção.
2.
Nunca arranque um selo usado do envelope. Encha uma vasilha com água até a metade e coloque os pedaços de envelope com selos de cabeça para baixo. Em alguns minutos, os selos começarão a desgrudar dos envelopes. Vá retirando-os com a pinça, um a um, e colocando-os com a face virada para baixo, em cima de uma folha de jornal, para que sequem.
3.
Depois de secos, pegue um a um e verifique se os picotes estão perfeitos. Os selos não podem estar rasgados ou cortados, nem raspados no verso.Separe os estragados daqueles que estão em perfeito estado.
4.
Se o selo for auto-adesivo, ele deve ser recortado do envelope com uma margem de segurança, para não correr o risco de estragar.
5.
Ao destacar um selo, cuidado para não estragar os picotes.
6.
Para guardá-los, adquira um álbum próprio, chamado de classificador, numa loja de comércio filatélico.
7.
Não cole os selos em cadernos ou em outro material. Adquira os suportes adequados (hawid) nas lojas de comerciantes filatélicos.
8.
Procure saber como outros colecionadores cuidam de suas coleções e como fazem para obter ou comprar selos diferentes, às vezes raros.Associe-se a um clube filatélico, para manter contato com outros colecionadores. Veja a relação de clubes em: Clubes Filatélicos.

História da Filatelia

História da Filatelia


Etimologicamente formada das palavras gregas phílos (amigo, amador) e atelês (franco, livre de qualquer encargo ou imposto), a Filatelia é normalmente definida como o ato de colecionar selos, especialmente aqueles considerados raros.Mas, muito mais do que um hobby de colecionismo, a Filatelia é, ao mesmo tempo, uma ciência e uma arte que apaixona pessoas dos mais diversos lugares do mundo.
História do Selo Postal e da Filatelia
O primeiro selo do mundo, conhecido como Penny Black, surgiu na Inglaterra, em 6 de maio de 1840, dentro da reorganização promovida no serviço postal daquele país por Rowland Hill. Até essa data, o pagamento pela prestação do serviço de transporte e entrega de correspondências era feito pelo destinatário. A chegada do selo foi fundamental para o sucesso da reforma postal, que revolucionou os Correios no mundo inteiro.
Os primeiros selos do mundo têm como figuração a efígie (como a da Rainha Vitória, no Penny Black), o brasão ou a cifra.
O Brasil lançou seu primeiro selo em 1843 – a famosa série “Olho-de-boi” – e foi o segundo país do mundo a emitir selos. Seguiram-se os selos conhecidos como “Inclinados” (1844), “Olhos-de-cabra” (1850) e os “Olhos-de-gato” (1854).
Os primeiros selos comemorativos foram emitidos em 1900 e celebravam o 4º Centenário do Descobrimento do Brasil, mas somente em 1906 foram feitas emissões comemorativas com repercussão no exterior, sendo alusivas ao 3º Congresso Pan-Americano.
O primeiro carimbo comemorativo apareceu em 1904, em Curitiba, durante a “Exposição do Paraná”, evento que comemorou os 50 anos da emancipação política do Estado.
Em 1920, foi criado o serviço aéreo, que teve selos exclusivos no período de 1927 a 1934.
O primeiro bloco comemorativo surgiu em 1938, em comemoração à 1ª Exposição Filatélica Internacional – BRAPEX, no Rio de Janeiro.
Até 1968, a grande maioria dos selos comemorativos brasileiros tinha impressão em uma só cor, com as mesmas técnicas e deficiências dos selos ordinários. Nesse ano, começaram a ocorrer melhorias significativas no processo de impressão, especialmente no que se referia ao tipo de papel, às técnicas utilizadas e aos mecanismos de segurança contra falsificações.
A partir da criação da ECT, em 1969, artistas plásticos e desenhistas promissores foram contratados para melhorar a qualidade das nossas emissões comemorativas e a Casa da Moeda foi reequipada para garantir uma impressão compatível com o novo padrão, dentre as providências que foram adotadas para incrementar a Filatelia.
Como decorrência da modernização em sua concepção artística, os selos brasileiros tornaram-se mais atraentes e competitivos, obtendo importantes prêmios internacionais. Destacam-se entre as emissões premiadas o bloco “São Gabriel Padroeiro dos Correios” (1973), o selo “Imprensa – Bicentenário de Hipólito da Costa” (1974), o selo “Dia Nacional de Ação de Graças” (1976), a série “Folguedos e Bailados Populares” (1981) e o bloco “Literatura de Cordel – Lubrapex 86” (1986).
Na Filatelia Brasileira merecem destaque, também, o primeiro selo do mundo com legendas em “Braille”, emitido em 1974, e o segundo selo do mundo com imagens tridimensionais (holográfico), lançado em 1989.
Em 1996, outro importante marco no processo de diversificação e melhoria do design das emissões filatélicas: o Concurso “Arte em Selo”, realizado por ocasião da 23ª Bienal de Arte de São Paulo, selecionou, dentre 3000 artistas, os 50 melhores para trabalharem no processo de criação dos selos brasileiros.
Em 1997, foram lançados produtos com nova concepção temática visual e tecnológica, como a folha de selos variados da campanha “Criança e Cidadania”, e, para as máquinas de autoatendimento, a cartela de selos autoadesivos (série “Cidadania”) e as etiquetas de franqueamento.
Com a proposta de sempre oferecer selos de significativo apelo temático e artístico, em 1998 a ECT lançou, entre outros, uma folha de selos sobre o tema EXPO’98 – Oceanos, e outra para homenagear a XVI Copa do Mundo, tendo como tema o Futebol-Arte, demonstrando que a Filatelia sempre está ao lado dos mais importantes acontecimentos do Brasil e do exterior.
Em 1999, importantes emissões foram lançadas, com destaque especial para a quadra alusiva aos “Parques Nacionais do Brasil – Prevenção a Incêndios Florestais”, impressa em papel reciclado, com aroma de madeira queimada, visando conscientizar para a necessidade de preservar as riquezas do nosso meio-ambiente. Outra emissão que merece ser ressaltada é a que focalizou oito espécies de “Peixes do Pantanal – Aquário de Água Doce” que, além de forte apelo temático, representa a segunda emissão brasileira impressa com detalhes em holografia.
Em 2002, a ECT lançou o primeiro selo redondo brasileiro, dentro da emissão “Campeões do Mundo de Futebol do século 20”. Os países que já ganharam a Copa do Mundo – Argentina, Alemanha, Itália, França, Uruguai e Inglaterra – participaram desse grande projeto filatélico, junto com os Correios do Brasil.
Dando continuidade ao processo de diversificação, melhoria do design e utilização de inovações tecnológicas na produção filatélica , em 2003, foram lançados: o selo do Natal, no formato triangular e autoadesivo, e o selo alusivo à luta contra o HIV/AIDS, no formato de coração. Em 2004, as principais
novidades foram: a aplicação da retícula estocástica na emissão “Preservação dos Manguezais e Zonas de Maré”, proporcionando efeitos de micro pigmentação, e o recorte do selo de Natal, em formato de Papai Noel.

 Em 2005, os Correios lançaram a emissão Série América: Escritores Brasileiros – Homenagem a Mario Quintana, impressa em talho doce/alto relevo, sensível ao tato. O selo é um tributo ao grande escritor e poeta gaúcho, considerado um dos maiores poetas líricos do país e da América do Sul. A emissão apresenta em primeiro plano a imagem de Mario Quintana e, à esquerda, um trecho do poema “O Mapa”.  No mesmo ano, outra novidade: foi lançada em micro letras a emissão Piracema – Uma Estratégia de Sobrevivência, um Bloco com um selo, que representa o momento da Piracema, focalizando a escalada dos cardumes em uma queda d’água.  

Em 2006, foi lançado o bloco “O Maior Cajueiro do Mundo”, que apresenta, de forma estilizada, a árvore do maior cajueiro do mundo, localizada na cidade de Parnamirim (RN). A arte do selo é do artista Álvaro Nunes e foi impressa em micro letras no formato do bloco.
No mesmo ano, os Correios lançaram o Bloco com 2 (dois) selos, intitulado “Tubarões – Um Patrimônio Ameaçado”, que apresenta espécies de tubarão em extinção, ao mesmo tempo em que retrata a beleza do fundo do mar, habitat natural das espécies. Os dois selos do Bloco focalizam os tubarões Cola-fina (Mustelus Schmitti) e Martelo (Sphyrna lewini), impressos em papel cuchê gomado com brilho. Na espécie tubarão Cola-fina, focalizada no selo superior, foi aplicada a técnica de holografia, com o objetivo de imprimir movimento e beleza ao conjunto.

Super